Solenidade do Imaculado Coração de Maria é realizada na Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida e São Cristóvão, na Igreja Matriz

Por Nilzabete Oliveira / Pascom Brumado


Postado em 13/06/2021


Solenidade do Imaculado Coração de Maria é realizada na Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida e São Cristóvão, na Igreja Matriz

Foto: Zilmar Santana / Pascom Brumado

A igreja honra e festeja o Imaculado Coração de Maria, cuja memória litúrgica, celebrada no sábado após a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, é um convite para celebrarmos a união do coração de Maria, com a obra salvadora de seu filho Jesus, desde o momento da encarnação, passando pela morte, ressurreição, ao dom do Espírito Santo. 

Em atendimento a esse chamado especial, a Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida e São Cristóvão realizou neste sábado, dia 12 de junho, às 7h, na igreja Matriz São Cristóvão, a santa missa. Presidida pelo pároco, o padre Sandro Alves Teixeira Lima, a celebração contou com a presença restrita para alguns poucos fiéis, respeitando o protocolo e as orientações comunitárias sobre aglomerações. No início da celebração, a imagem do Imaculado Coração de Maria, foi solenemente conduzida a um altar apropriado, e aplaudida pelos presentes, o referido padre fez a saudação inicial, dando seguimento ao momento litúrgico, em que todos meditaram a palavra de Deus, por meio das proclamações das leituras, do salmo e evangelho. 

Em reflexão, o pároco agradeceu a Deus pelo dom da vida, e por ter desejado fazer-se pequeno para nos lembrar, de que somos filhos amados. Em seguida falou sobre a importância de celebrar a memória Mariana, que significa: “Recordar os feitos do Senhor na vida de Maria Santíssima, bem como na de todos nós.” Narrou a origem da devoção e sua vinculação à festa ao Sagrado Coração de Jesus. A referida solenidade é de origem devocional, sendo instituída pelo papa Pio XII. Ela nos convida a “(…) pensarmos sobre os mistérios da Virgem e de Jesus, em sua integridade e profundidade”. Ressaltou virtudes de Maria, dentre elas o fato de ser a “(…) morada do Espírito Santo, sede da sabedoria. Sabedoria que vem de Deus, imagem e modelo da Igreja, que escuta e testemunha a mensagem do Senhor”. Sobre a primeira leitura, fazendo referência ao profeta Isaías, disse: “(…) o profeta Isaías nos faz um grande convite, de nos exultarmos de alegria na presença do Senhor. Por isso, tanto o profeta, quanto a Virgem Maria, são para nós modelos de esperança, de confiança, e de entrega nas mãos do Senhor”. Lembrou ainda que, embora nem sempre as coisas sejam fáceis, é preciso olhar para o testemunho de Nossa Senhora, para vencer as dificuldades do cotidiano. Assim como Maria Santíssima, precisamos “(…) deixar-nos conduzir como instrumentos, para que Deus realize Sua obra, através de cada um de nós”. Sobre o salmo do dia, disse ser um convite para pensarmos sobre onde costuma regozijar nosso coração, e para entender que esse regozijo precisa ser nas maravilhas do Senhor, caso não esteja sendo. Refletindo sobre o evangelho proclamado disse, que “nos faz perceber que Maria e José, como qualquer irmão, qualquer família de Nazaré, estavam todos cumprindo os preceitos da Lei Judaica, iam para festas, mas a presença de Jesus é aquela que vai aos poucos reconfigurando toda a tradição, o que ensina como adorar e onde estar, para sermos verdadeiramente discípulos missionários, segundo o coração de Deus”. Falou sobre a importância de irmos ao encontro de Nossa Senhora, para que nos ajude a adquirirmos um coração aberto à graça de Deus. E, ainda que “não apenas cumpramos preceitos, mas anunciemos que Cristo é o Senhor de nossas vidas e corações. Que aprendamos a meditar as coisas em nossos corações, e que sejamos sempre obedientes ao Pai, a exemplo de Maria. A memória de hoje ensina que é preciso perdoar, amar e esperar, pela graça de Deus, que foi derramado em nossos corações, e no coração Imaculado da Virgem Santíssima”. 

Segue o rito litúrgico habitual da Santa Missa, e ao final o padre Sandro Alves Teixeira Lima, convidou um casal até o altar para, representando todos os namorados, receber as bênçãos de consagração à Mãe de Cristo. A Solenidade, em louvor ao Imaculado Coração de Maria, foi concluída em clima de alegria, transcorrida pelo alimento espiritual, do pão, e de esperança, por sermos coparticipantes na missão, que a partir dali se inicia.